segunda-feira, 19 de junho de 2017

O que somos nós neste Mundo?




   Perante as tragédias, fica o espanto, o lamento, o pesar, e o sentimento de impotência e de injustiça. Mas ao mesmo tempo, a nossa cabeça levanta questões e põe em perspectiva uma série de coisas: "Somos assim tão pequeninos e insignificantes neste Mundo? Como devemos lidar com tais acontecimentos, estando eles totalmente fora do nosso controlo? Porque é que a morte por vezes é tão injusta, aleatória e inesperada?". Confesso que tem sido isso que tem pairado sobre a minha cabeça nas ultimas horas. E apesar de não ser capaz de desenhar uma certeza conclusiva sobre tais questões, fiquei com um esboço das respostas que procurava. Sim, somos tão pequenos e insignificantes como a vida de uma formiga aos nossos olhos. Ou melhor, a nossa vida é tão insignificante como aquelas que, não tendo ligação afectiva connosco, passam por nós todos os dias. Da mesma forma que não queremos (nem temos capacidade para) saber das realidades vividas pelo alheio desconhecido, ninguém quer saber da nossa. Como indivíduos temos valor para aqueles com quem possuímos laços ou com quem nos cruzamos de forma positiva ao longo da vida. De resto... Bem, somos (e devemos ser) uma estatística. Um pequeno número na escala de habitantes deste Mundo. Pessoas nascem, pessoas morrem, a maioria das vezes por razões que nos fogem totalmente da compreensão e do controlo. E aquilo que aconteceu com outro, podia muito ter acontecido connosco ou pode vir a acontecer. Mas a nossa pequenez não nos deve diminuir, deve aliviar-nos a responsabilidade sobre o que não controlamos e fazer-nos aproveitar bem o grandioso momento que é a vida. A morte é uma certeza (por muito que eu diga que não acredito até que me aconteça) e existem milhões de factores incontroláveis que nos podem levar até ela. Não vale a pena discutir a sua justiça! É o que é... E o que podemos nós fazer? Fazer os possíveis para evitar todos os males que podemos. Consideras morrer nas mãos da Mãe Natureza uma estupidez? Estupidez é morrer num acidente de viação por alguém ter ignorado normas de segurança, morrer de fome por escassez de dinheiro num planeta onde abundam bens alimentares... Isso é estupidez! E isso nós controlamos e podemos evitar. E não deixando de desfrutar da vida, devemos é preocupar-nos com isso. Um excelente exemplo aconteceu estes dias: A Natureza provocou um incêndio que deixou dezenas de pessoas sem vida. Triste, mas dificilmente conseguíamos evitar. Logo após a tragédia, o país uniu-se e não deixou que os desalojados e os bombeiros passassem maiores dificuldades. Para além disso, já se discutem formas de aumentar os meios de combate a estes fenómenos trágicos. Dois bons exemplos!

   Somos pequenos e insignificantes! Mas dentro daquilo que nos é possível, devemos preocuparmos com o que controlamos e nos pode prejudicar como indivíduos ou como sociedade em geral. De resto, há que aproveitar a vida! Quando nos provam que a vida é algo que começa quando outros querem e que pode terminar de forma inesperada, devemos passar a valorizar cada segundo e respeita-la como fariam aqueles que já cá não estão.



1 comentário:

  1. Infelizmente, não acredito que exista justiça. Estamos sempre à deriva... à mercê do que pode nos acontecer em qualquer momento.

    Beijos!
    Blog: *** Caos ***

    ResponderEliminar